sexta-feira, 2 de maio de 2014

Hoje, na caixa de um supermercado

Estava eu muito bem num supermercado, na fila da caixa, quando reparo que o caixa andou comigo na escola. Tipo, há anos atrás. Está diferente. Pergunto-me só: estará tão parvo como era dantes?

Não fez qualquer sinal de me reconhecer. Eu também não fiz. Além de ser antipático por natureza, sou sobretudo quando não gosto de alguém. E eu não gostava dele. Era peneirento. 

Pronto, agora que já vi aqui destilar veneno, vou dedicar-me a algo mais produtivo. :D

31 comentários:

  1. às vezes é mesmo bom passarmos despercebidos haha

    ResponderEliminar
  2. Acontece me isso de vez em quando. Eu costumo cumprimentar sempre as pessoas, e quando trabalhei numa caixa de super fazia-o, mas havia um ou outro colega que fingiam não me reconhecer.
    Uma delas, toda manientinha, virava a cara e o caralhete quando lhe dizia olá, agora trabalha ela num supermercado. fui lá no outro dia, e simplesmente falei lhe como se não a conhecesse. ficou super constrangida ,as a mim soube me mesmo bem. há momentos assim xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois. Ele não era bem peneirento. Eu é que não gostava dele, e pronto. Quando não gosto de uma pessoa atribuolhe todos os erros...

      Eliminar
    2. Ressabiadas. É o que me apraz comentar dos vossos comentários LOL

      Eliminar
  3. tu és antipático? não o diria...:-)
    É...tb tenho alguns casos assim...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou pessoa de grandes simpatias ou sorrisos, meia noite... especialmente se não conhecer as pessoas.... e se não gostar delas, dificilmente me vêem os dentes...Lolololol

      Eliminar
  4. há uns seis anos dei de caras com uma colega da faculdade no posto dos CTT das amoreiras. engraçado eu a reconhecer e ela a mim, pois não conversávamos muito e os anos passam. afinal, licenciei-me em 97...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. enganei-me, qual amoreiras! era o colombo! amoreiras... confundo os shoppings todos agora, é a velhice, é o que é...

      Eliminar
    2. São sítios com muitas lojas juntas. O nome é irrelevante, margarida...
      Pois, não sei se ele me reconheceu ou não. E não me estou a ralar muito. Tratou me por você e tudo... Lol

      Eliminar
    3. Margarida, é que nos somos do tempos em que o Kitt foi ao Amoreiras :)

      Eliminar
  5. Eu vejo imensos colegas do colégio. Alguns moram perto de mim, outros perto da avó. Lisboa é uma cidade normal, não é como NY.

    Acho bem. Se não gostavam um do outro, não há motivo para se forçar sorrisos de circunstância.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Depois de ler o teu comentário, senti me tão menos venenoso, Mark... Lolololol

      Isto não foi em Lisboa. O meu concelho tem tantos habitantes como o teu bairro, possivelmente...

      E eu não gostava dele. Ele não sei que sentimento nutria por mim...

      Eliminar
  6. Não me soas a uma pessoa antipática... ;D

    ResponderEliminar
  7. Eu tb sou assim, e já não me lembro de muitas cara de colegas; acho que muitas pessoas me passaram completamente ao lado. Já me aconteceu encontrar ex colegas que me vieram falar e eu não fazia ideia quem eles eram.
    (e tu não és nada antipático :)
    abc

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sou antipatico. Serei mais trombudo. Se for a algum sítio, como o banco, correios, etc..., não sou de sorrir ou assim. Mas também não trato mal as pessoas....

      Eliminar
  8. LOLOLOL Que mauzão! Mas ele era daqueles gajos populares todos giros e grossos que depois se transformaram em feios, carecas e barrigudos? LOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, era isso. No que se transformou não sei. Tem boca de brochista (LOL)

      Eliminar
    2. Medo para esse teu comentário LOL

      Eliminar
    3. Não Sabes o que é, namorado? Lolololol

      Eliminar
    4. Armado em virgem pura, namorado? OLOLOL

      Eliminar
    5. Nopes, até porque sou gémeos LOL

      Eliminar
    6. Neste blog não se fala em signos, ok? LOL

      Eliminar
  9. Sempre tive o cuidado de cumprimentar os vizinhos quando entro no prédio. Na casa antiga, a vizinha de meia idade do 1º andar não só não respondia como ainda virava a cara. Um dia encontrei-a, como cliente, no meu trabalho. Veio ter comigo com um sorriso enorme e disse "Ah, o Senhor não mora no número X da Rua Y?" e eu disse-lhe "Moro, mas não estou a conhecer a senhora".

    ResponderEliminar