segunda-feira, 12 de maio de 2014

O meu primeiro e último post sobre a Eurovisão 2014


Bem, estive a ler os comentários a algumas notícias que saíram sobre o facto da Conchita ter ganho o festival da Eurovisão. Devo dizer o seguinte:

1. Nunca segui a Eurovisão e não é algo que me faça parar o que estou a fazer. 

2. Não gosto de travestis. Não é preconceito, é mesmo gosto ou falta dele. Também não gosto de mulheres. 

3. Nos inúmeros comentários quer li, dizem coisa do género "o mundo está podre" ou "onde iremos parar?". E cingi-me aos mais simpáticos. 

4. A Eurovisão, segundo sei, é um programa onde se vota na qualidade da música. Não li nem um único a comentário a dizer que a música era má ou mal interpertada. Até a ouvi, e tenho a dizer que, sem mais comparações, numa escala de 0 a 100, daria um 75/80. 

5. Acho que é ser-se muito mesquinho atacar a qualidade artística de alguém com base em convições que repudia. Pode repudiá-las, mas essa pessoa não deixa de ser um bom artista. Ninguém pensa em atacar a Ana Zanatti, por exemplo, porque ela tem uma carreira já sólida. No entanto, não hesitam em atacar o "elo mais fraco". 

E pronto, não me voltarei a pronunciar sobre este assunto :D

15 comentários:

  1. 1. Ora ainda bem que não gostamos todos do mesmo.
    2. Ora ainda bem que não gostamos todos do mesmo. #2
    3. Ora ainda bem que não pensamos todos o mesmo.
    4. Aí todos pensam o mesmo. A canção era boa (dentro do género) e muito bem interpretada (por aí, ninguém podia pegar).
    5. Conchita não é o elo mais fraco. Conchita é Rainha da Europa! LOL Destronou a Sissi!

    LOL :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Conchita não é um travesti, é uma drag queen, há diferenças.

      Eliminar
    2. Eolo, podes sempre elucidar nos dá diferença. Eu pelo menos desconheço...

      Shoes, ela é rainha para ti. Para mim não, que se não fossem os vossos blogs a questão tinha me passado ainda mais ao lado... lololololol

      Eliminar
  2. Demos 12 Pontos, e ainda ninguém referiu que foi a conta da Áustria que afirmou que Portugal era um país fascista e portanto "Simone" não deveria ganhar a Eurovisão.

    Não votámos na Espanha e o Lobby Gay vota num rapaz com um vestido LOLOLOLOL

    Já a Dana tinha feito melhor, numa época mais conservadora, sem a Polémica da Rússia. Copy Past

    Não entendo todo este furor em volta da Barba. Para mim, foi uma ideia super original

    E, a originalidade marca a diferença.

    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco, eu não percebo nada de eurovisao...
      só que só vejo comentários de gente indignada com tudo menos com o facto dela ter cantado bem ou mal. Basicamente, iam além do essencial no concurso, creio eu...
      abraço :-)

      Eliminar
  3. Não vejo Eurovisão desde 1994. Não gosto. Cada um é como é.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não gosto e nunca vi. (em 1994 teria uns 5 anos... LOL)
      Mas toda esta polémica não me passou ao lado, porque tanto a Blogosfera, como o FB foi invadido por ela. Até os jornais online que costumo ler...

      Eliminar
  4. Nem sei que comentar lol
    o festival, a pessoa, os aparatos, a duvidosa qualidade musical de tudo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sérgio, eu, pessoalmente, não desgostei totalmente da música. Não ma fez ouvir outra vez, mas não a parei logo...
      Só acho triste o ataque à pessoa e não há música, que deve ser o principal a ter em conta...

      Eliminar
    2. Eu era seguidor do ESC até aos anos 90, mas aí parei. Aquilo torou-se num aparato, e o que importa é dar nas vistas. Um traveca de barba foi a fórmula perfeita envcontrada desta vez. Portanto quando as pessoas se expões desta forma ficam sujeitas a esses ataques. Acho que é preciso por a mão na consciência...

      Eliminar
    3. Irei abster-me. Nunca segui a Eurovisão, e já estou velho de mais para começar a seguir... Se dizes que se transformou nisso, eu acredito em ti... LOL

      Eliminar
  5. A Eurovisão passou-me ao lado até aí aos 23, quando comecei a falar com gajos (gays) e percebi que a coisa era muito popular. Falei muito com um gajo que era coordenador do clube de fãs da Eurovisão, e em dois ou três cafés que tivémos ouvi coisas do festival até à exaustão. Depois disso só quando conheci o P é que a eurovisão se voltou a cruzar na minha vida.

    ResponderEliminar