domingo, 29 de junho de 2014

Conversas no chat do facebook


Estive hoje a falar com um colega de curso no facebook. Falámos de férias, principalmente (sempre ouvi dizer que as pessoas falam do que têm falta). Contudo, desde que conheci este rapaz que senti o meu radar apitar*, ainda numa altura que não aceitava que gostava de rapazes. E pronto, isto tudo para dizer que apesar de não o ver há uns cinco anos, continuo a achar o mesmo: ele é gay. Nada de namoradas, nada de gajas nas fotos. Sempre agarrado nas fotos a um rapaz, ainda que sem grandes coisas. Poderão ser apenas amigos.

E isto tudo não para cortar na vida do rapaz. Ele que seja o que é, e sobretudo quero que seja feliz. Era um bom colega. (digo e reafirmo, colega! Não nos podemos considerar amigos). Contudo, gostava de lhe dizer que sou gay. Ele talvez desconfie de mim, como eu desconfio dele (eu estou mais que desconfiado, mas pronto). Já lhe tentei pisar terreno, mas ele nada. Fechou-se. Ainda na faculdade tive uma fase um bocado homofóbica (fase da negação). Talvez seja por isso mesmo que ele se fecha. E tem a sua razão. Eu talvez fizesse o mesmo. Mas acho que nos poderíamos tornar amigos, se ambos descobríssemos que o outro era gay. Apenas isso.


* Poderão pensar que, para quem tem o radar avariado, falo frequentemente de quando ele apita. Contudo, acreditem que me passa muita coisa ao lado. Praticamente, falo aqui sempre que ele apita, o que no presente, não é recorrente.   

14 comentários:

  1. Respostas
    1. Isso és tu Flávio, que o tens apurado... LOL

      Eliminar
  2. |||||
    Chamar radar aquilo que estou a pensar.... é interessante. De vez enquando preciso de fazer um upgrade...

    Convida o teu amigo para visitar a tua quinta "Aqui do Campo" e vais ver que a mudança de "ares" dará origem ao óbvio... será?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, João Eduardo, como lhe chamas, se não é radar? LOL

      Não sei se será. Isso é quase como dizer-lhe na cara "Olha eu sou gay, e tu também és, não és?" :D

      Eliminar
    2. Existem muitos nomes para lhe chamar, mas radar é interessante, pelo menos nunca fez parte do meu vocabulário...
      Quanto ao resto, não sendo importante, pode ser óbvio.
      |||||

      Eliminar
    3. Então quais fazem parte do teu vocabulário? É que nunca lhe ouvi chamar outra coisa que não radar (ou gaydar, quando muito...)

      Eu sou um atado, João Eduardo. Jamais conseguiria fazer isso... LOL

      Eliminar
    4. ||||
      Cada região tem os seus costumes... Nunca utilizei essa expressão. Mas estamos sempre a aprender.
      Quem sabe se um convite à tua quinta "Aqui do Campo" para um cafezinho, quem sabe se no meio da descontração ele se revelasse. Por mim, parece-me que é obvio.
      Quem sabe se ele já não fez uma pesquisa de amigos e de endereços de Blogues, e já chegou aqui e espreita todas as manhãs nesta tua quinta.
      Eu já descobri pessoas através desse método. Mas como diz a sabedoria popular, quem não arrisca não petisca. Claro que esse episódio pre-homofóbico na universidade não ajudou nada, mas as pessoas estão sempre a tempo de mudar as convicções, nada é definitivo nesta vida excepto a morte que é sempre uma certeza.
      Espero que ele não leia este post e se atreva a contactar-me para ser o padrinho.....kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Fora a brincadeira e a ironia, acho se tens vontade de ir mais além, atreve-te!
      Mas sei que falar é fácil...

      Eliminar
  3. Achas que ele não sabe?
    Gostei da analogia com o radar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pode eventualmente desconfiar de mim, Til. Certezas duvido que tenha...

      Eliminar
  4. Aí está João Eduardo: falar é fácil...
    Acho que se me cruzasse diariamente com ele, já teria sido menos sutil... lol
    Quem sabe, num futuro em que tal aconteça ( afinal até somos da mesma área e tudo...)

    E se ele aqui está a passar, força, se menos sutil rapaz!

    Olha que ele não é nada de deitar fora, João Eduardo:-)

    ResponderEliminar
  5. a questão é, tens algo a perder em contar-lhe ? ou até, o que ganharias (um possível amigo) é superior ao que podes perder (um colega)? pensa e toma a melhor decisão :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aaron, se passar a confraternizar com ele diariamente, terei esse teu conselho em consideração.
      Agora assim, não nos vemos pessoalmente desde que terminamos a licenciatura. Falamos apenas pelo chat do FB de quando em vez... Não vale a pena forçar a situação. Até porque, lá está, eu sou um atado de primeira apanha... LOL

      Eliminar
  6. Podes não ter o mesmo comportamento que tinhas na universidade, mas se o rapaz não contacta contigo pode não se ter apercebido disso. Já agora, e ele, não te perguntou por namoradas?

    ResponderEliminar