terça-feira, 6 de outubro de 2015

A múmia voltou a fazer... porcaria

Parece que a múmia que vive em Belém voltou a fazer das dele. Estamos em contagem decrescente para nos livrarmos dele, mas parece que ele quer que nos lembremos dele até ao fim... 

21 comentários:

  1. Respostas
    1. GbBb, eu nem ouvi o discurso. Dá-me asco aquele homem.

      Eliminar
  2. Já se sabia que ele convidaria PPC a formar Governo. Deixou portas abertas a um entendimento com o PS, evidentemente. Sabes, sou justo (ou tento): se a coligação ganhou em votos e mandatos, deve governar. O povo foi claro ao votar neles e ao não lhes dar maioria absoluta. Quer claramente, o povo, um governo PSD-CDS com maior intervenção do PS e dos partidos fora do designado "arco do poder".

    Se o Governo for demitido (que ainda nem se foi nomeado), Cavaco terá de encontrar soluções NESTE quadro parlamentar que resultou das legislativas últimas. A AR não pode ser dissolvida nos seus primeiros seis meses e Cavaco perdeu a "bomba atómica".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mark, eu concordo contigo, e até acho isso tudo muito natural (ser convidado PPC a formar governo). Contudo, pensava que ele hoje tinha reunido com os partidos, e estaria a indigitar o outro ou coisa parecida.
      Contudo, quando ouvi as declarações do João Oliveira e da Heloísa Apolónia em reação à comunicação é que percebi que essa reunião ainda não tinha acontecido. É claramente um por "a carroça à frente dos bois".

      Eliminar
    2. Na minha terra chama-se "Golpe de Estado".

      "O Primeiro-Ministro é nomeado pelo Presidente da República, ouvidos os partidos representados na Assembleia da República e tendo em conta os resultados eleitorais"
      nº 1 do Artº 187 da Constituição da República Portuguesa

      Eliminar
    3. Ele não o nomeou. :) Indigitou, se tanto.

      Eliminar
    4. O João Oliveira disse que ele não estava a incorrer em nenhuma inconstitucionalidade, pelo que não violou a constituição. Contudo, é uma atitude que lhe ficou muito mal.

      Eliminar
    5. Não é por esse senhor dizer que ele não está que ele passa a não estar. Não está, de facto. Gostemos ou não de Cavaco Silva, eu nem por isso, não infringiu em nada a Constituição. Uma coisa é indigitar, outra é nomear. Isto do Direito tem muito que se lhe diga.

      Eliminar
    6. Esse senhor, que não sei se sabes quem é ou não, além de ser o líder de bancada do PCP, é, tal como o tu, jurista. Pelo que ele não disse com toda a certeza porque lhe apeteceu, mas porque é isso que a constituição diz.

      Eliminar
    7. Bem, Horatius, a tua defesa intransigente do PCP começa a cegar-te. Não disse "esse senhor" pejorativamente. Não é um senhor? É uma senhora, se calhar, não? Isto em primeiro. Segundo, o que referes no final nem sempre é assim. Há várias leituras da Constituição. Ainda antes de mencionares a opinião do queridíssimo e estimado camarada João Oliveira (está bem assim?), eu já havia dito que Cavaco Silva não infringiu em nada a Constituição.

      Não precisas de defender o PCP de mim. Nada tenho contra o PCP e, pelo contrário, até respeito o partido.

      Eliminar
    8. Mark, no teu comentario pareceu me que não sabias quem era o João Oliveira (e não tinhas obrigação de perceber, diga se de passagem). Apenas referi porque, sendo jurista, tem credibilidade para analisar a constituição, mais do que eu, que a conheço superficialmente, e mais inclusivamente do que tu, que apesar de seres da área, ainda não tens experiência de trabalho com a constituição além do académico. O facto de ser militante do PCP e dizer que Cavaco não incorreu em nenhuma inconstitucionalidade ainda lhe dá mais credibilidade, uma vez que se cavaco metesse a " pata na poça", seria com toda a Certeza o primeiro a cair lhe em cima.
      O meu primeiro comentário de resposta ao teu disse logo que concordava em tudo contigo, apenas não achava bem que Cavaco tomasse está atitude antes de ouvir os partidos, como é sua obrigação. Creio que em nada fui contra aquilo que tu disseste, e se referi o João Oliveira, foi apenas como "reforço " ao que já estava afirmado.
      Quando disseste " esse senhor " pareceu me pejorativo? Pareceu. Foi tua intenção? Tu Dizes que não, e eu acredito.
      Contra o PCP creio que não tens nada. Parece é que tens contra mim, desde que te corrigi na história do Grupo Parlamentar da CDU (comentário que Fiz Inocentemente, quase na brincadeira e sem intenção alguma de te ofender, mas que parece que levaste muito a peito).

      Eliminar
    9. Isto deve ser do tempo, só pode. Horatius, até parece. Aos anos que nos "conhecemos". Se tivesse alguma coisa contra ti nem visitaria o teu espaço. Não sejas tolo. E não me corrigiste; alertaste-me para um lapso.

      Não conhecia o senhor, não, mas não quis ser pejorativo. Pareceu-me é que por ser ele a afirmá-lo, pronto, já é uma opinião definitiva, fazendo "doutrina". Por ele dizer, não significa que assim fosse, até porque os políticos geralmente defendem o que mais lhes apetece.

      Não irei comentar essa do "ter mais credibilidade do que eu" para analisar a Constituição, até porque não sabes qual dos dois está mais apto, até pelo currículo académico, a fazê-lo.

      Cavaco não pode nomear um Governo sem ouvir os partidos. É isso que a Constituição diz. E ele ainda não nomeou ninguém.

      Bom, encerro o assunto aqui.

      Eliminar
    10. Ai filho, tou desejoso que chegue amanhã à noite, que é dia de namorar :P

      Eliminar
    11. Dias depois, veio-se a saber que o PR ainda nem indigitou PPC, ou seja, como referi no meu segundo comentário: "indigitou, SE TANTO". Não o havia sequer indigitado. Pedro Passos Coelho, então, confiando na imprensa (nunca sabemos ao certo o que se passa), nem é um Primeiro-Ministro indigitado, que se dirá de nomeado... Está longe disso. E Cavaco ainda vai ouvir os partidos de novo, pelo que li. Que salgalhada.

      Eliminar
  3. É deitar-lhe o fogo, lol! Dizem que as múmias têm medo do fogo! xD

    ResponderEliminar