sábado, 15 de fevereiro de 2014

A propósito das praxes

Não, não vou falar do tema. Mas hoje encontrei na rua um antigo caloiro que praxei. Apesar de me perguntar porque razão é que ele se perdeu aqui para o campo, não lhe perguntei nada disso. Fiquei parvo a olhar para ele. Cinco anos depois e está MUITO mais giro. Uma verdadeira brasa, que até queima só de olhar. Já que falam tanto dos abusos das praxes, eu acho que podia ter abusado dele. Tipo, só para começar, devia de te-lo obrigado a levar-me o pequeno almoço à cama. Em boxers apenas. 

Enfim, fiquei cheio de calores. Serei gay?

A imagem é meramente ilustrativa :P

35 comentários:

  1. Olha, eu não sou de intrigas... Mas acho que és xD

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, tenho essa suspeita cada vez mais forte...

      Eliminar
    2. Eu também acho que sou, sabes? Se calhar formávamos um clube. Assim, uma coisa nunca antes vista. Que tu, como sabes, por viveres no campo, essa coisa da homossexualidade é um mito...

      Eliminar
    3. Homossexualidade é termo que não se usa aqui. Utiliza-se pandeleiro, para falar de alguém que não gostamos. E utiliza-se pandeleiragem como sinónimo de gatunagem.

      É por isso que eu acho que essas coisas de homens que beijam homens não existe.

      Eliminar
    4. Hahahaha estiveste maravilhosamente agora :D

      Eliminar
    5. Vocês falam, mas eu lembro-me de aos 16 e 17 anos não perceber que o sexo anal era possível, lololol

      Eliminar
    6. Isso existe Coelho? Como se faz? LOL

      Eliminar
    7. Namorado, esse smiley é a resposta à pergunta do Horatius?

      Ine, de quem não concretiza, estás muito católico...

      Eliminar
    8. Não Coelho lol é o meu ar chocado para esta conversa lolol

      Eliminar
    9. Ah, estava na dúvida de os dois pontos representavam dois olhos ou dois tintins, dado o teor da conversa, lol

      Eliminar
  2. Esses boxers fazem dor de cabeça... é melhor tirar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente, são um bocado psicadélicos. E não são especialmente giros. Mas foi a única imagem que encontrei com um gajo bem giro. Ou podre de bom, como diria o amigo Francisco. :D

      Eliminar
  3. Estou com o Ricardo, eu não sou de intrigas... mas :D

    E, bem que o rapaz poderia dar ouvidos ao coelho e tirar os boxers, seria um lavar de vistas e alma lolol :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Outro com enxaqueca... LOL
      Abraço, Francisco :)

      Eliminar
  4. Relaxa...
    Os desejos brotam de forma natural...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL, este é um post um pouco de gozo. Eu sou um homem comprometido...
      Mas que o rapaz está uma brasa, está ;)

      Eliminar
  5. eheheheheehehhe

    - Este post fez-me subir a temperatura....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. LOL
      Não me digas que subiu tanto que o termómetro ficou em pé... lolololol

      Eliminar
  6. se a ideia era ser meramente ilustrativa, não conseguiste hahaha parei! :p

    r. dá um trabalhão xD | É essa versão que ouço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. porque foi além da ilustração haha :p joking

      Eliminar
    2. Pois, toda a gente comentou o rapaz da foto, e não tanto o caloiro... lolol

      Eliminar
  7. Se ele for assim lol devias ter praxado, praxado e praxado lololol Até o cheiro de borracha queimada chegar a Paris na França lol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é este, mas é igualmente giro :D

      Eliminar
    2. E na altura que o praxei era um hôme solteiro. Podia sempre dizer-lhe:
      Caloiro, ajoelha e fala pro microfone!!!!
      (ok, eu não escrevi isto!!! lolol)

      Eliminar
    3. lolololol és pouco fresco és lolol

      Eliminar
  8. Reparares num gajo e vires logo escrever sobre ele no blog? Sim, és gay. Nem as gajas fazem isso! lol

    ResponderEliminar
  9. como te percebo.. eu podia ter aproveitado tão melhor os meus tempos de adolescente!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também eu, Aaron. As dúvidas existenciais sobre a homossexualidade e a rejeição em que vivi muitos anos (aliada a viver num sítio pequeno e fechado) levaram-me a ser um anti-social. E pronto, os anos passaram, e não cometi as loucuras que devia ter cometido. Só comecei a aproveitar a vida aos 18 anos, quando fui estudar pra fora...

      Eliminar
    2. Deixa lá. Eu hoje sei que é impossível viver o que ficou para trás, mas esforço-me por aproveitar ao máximo os dias de hoje.

      Eliminar